Você sabe o que são Arquétipos?

Os arquétipos provocam emoções e geram conexões entre as pessoas e são fundamentais para a nossa evolução. Sabia disso?

Cada indivíduo tem sua vivência pessoal e, a partir delas, uma personalidade, sentimentos e ações que são formados inconscientemente. Da mesma maneira, a identidade e a percepção do mundo a seu redor são moldadas com base em experiências cotidianas.

Neste artigo, vamos explicar mais o conceito na visão de Jung e listar os 12 arquétipos que definem o jeito de ser de cada um de nós.

O que são arquétipos?

Para o psiquiatra suíço e fundador da psicologia analítica, Carl G. Jung, arquétipos são um modelo ou padrão passível de ser reproduzido em simulacros ou objetos semelhantes. Em outras palavras, pacotes comportamentais e seus rótulos.

Os arquétipos, assim nomeados por ele, são fundamentais para a evolução de uma pessoa, pois além de provocar emoções, geram conexões entre um indivíduo e outro.

De acordo com a psicologia, um ser humano pode apresentar diversos arquétipos em sua personalidade, mas geralmente um deles é predominante. Os psicólogos utilizam-se deles para estudar as personalidades e desenvolver as potencialidades dos indivíduos.

Tipos de arquétipos A partir de estudos, Carl G. Jung definiu 12 tipos de arquétipos que definem a forma de ser das pessoas e são essenciais para o seu autoconhecimento. Conheça a seguir cada um deles.


  • O Inocente: é aquele que inspira pureza, simplicidade e positividade. Acredita que é possível criar um mundo melhor para todos e possui características marcantes como espontaneidade e otimismo.

  • O Sábio: responsável por estimular o aprendizado e valorizar o ato de pensar. Seu maior medo é ser enganado ou viver na ignorância.

  • O Herói: esse perfil é altamente produtivo e está pronto para encarar qualquer desafio que surja em seu caminho. Coragem e competência são as principais características.

  • O Fora da Lei: indivíduo que vive de acordo com o que acredita, mesmo que seja totalmente contrário ao que a maioria segue. Tem personalidade inquieta e quer quebrar as barreiras do cotidiano.

  • O Explorador: essa persona preza pela liberdade e acredita que grandes sensações, como a felicidade e a plenitude, podem ser conquistadas a partir de pequenas quebras na rotina. A ambição é uma das principais características desse arquétipo.

  • O Mago: coragem e liberdade definem esse arquétipo que tem como maior objetivo transformar sonhos em realidade.

  • A Pessoa Comum: tem afinidade com rotina e não se importa em ser mais um dentre vários. Seu principal objetivo é se inserir de forma efetiva na sociedade.

  • O Amante: o foco está em se relacionar com outras pessoas e, por isso, valorizar a intimidade e a experiência. O ponto principal desse arquétipo não necessariamente envolve o amor, mas sim a personalização.

  • O Bobo: despreocupado, engraçado e acessível, esse perfil é conhecido por fazer graça de si mesmo e ver a vida de forma muito tranquila.

  • O Cuidador: o grande desejo é ajudar o próximo. Para ele, as pessoas são colocadas no foco, assim como as necessidades da sociedade.

  • O Criador: engenhoso, cheio de criatividade e não sossega até que encontre novos projetos interessantes.

  • O Governante: aquele que se posiciona como um líder nato. O carisma é percebido com frequência. Quando preciso, não deixa de investir em aspectos como autoridade e força no discurso.

Então, algum desses arquétipos soam familiar para você? Vale reforçar que os arquétipos não definem a identidade de um indivíduo, pois são, na prática, repetições espontâneas de atitude em quando o ambiente de interesse se repete e a recompensa obtida é vantajosa. Outro ponto importante para a compreensão do ambiente está na combinação dos arquétipos. Eles raramente são executados de maneira pura. O tema é vasto, interessante e deve ser explorado. Por isso recomendamos nosso livro “Inteligência Comportamental - A nova fronteira da inteligência emocional”, para se aprofundar neste tema. Até a próxima!

11 visualizações0 comentário